Editorial

Transtornos psiquiátricos acometem qualquer um de nós. Tratam -se de patologias que são menosprezadas e ridicularizadas por várias pessoas, o que dificulta o tratamento precoce e uma melhor qualidade de vida. Elas provocam dor na própria pessoa e ou na família, gerando grande prejuízo em toda a sociedade. Hoje em dia o tratamento é bem mais eficaz o que transformou a realidade da psiquiatria. Onde podemos tratar nossos pacientes em ambulatórios, e se necessário internações breves. Por este motivo foi possível diminuir as internações de longa permanência. Temos que lembrar sempre de um pêndulo que vai e volta e tem seus extremos, o que gera radicalismos, não podemos pensar que só poderemos tratar os nossos pacientes ambulatorialmente e fazer uma caça a bruxa aos hospitais psiquiátricos. Hoje em dia os hospitais psiquiátricos fazem um tratamento multiprofissional, com psicólogos, terapeutas ocupacionais, assistentes sociais que tentam reinserir pacientes que muitas vezes foram abandonados pela própria família e não tem onde ficar, sendo necessário muitas vezes alberga-los em lares terapêuticos.

Existe uma situação muito peculiar. Os profissionais médicos e psicoterapeutas por saberem toda a teoria, se sentem muito culpados consigo mesmo quando apresentam algum transtorno psiquiátrico.

O tratamento dos transtornos psiquiátricos são muito mais eficazes, quando temos os fatores de bom prognóstico em psiquiatria: se ter um bom acolhimento por familiares e amigos, serem inseridos em grupos religiosos, em esportes, não fazerem uso de substâncias psicoativas (álcool e drogas) e que a própria pessoa aceite o tratamento.

Estas são algumas das indicações de tratamento psiquiátrico:

  • Depressão

  • Ideação suicida

  • Ansiedade generalizada

  • Síndrome do pânico

  • Transtorno obsessivo compulsivo

  • Somatização

  • Reação aguda à traumas psicológico (acidentes, cirurgias, luto)

  • Anorexia nervosa

  • Bulimia nervosa

  • Psicoses (quadro do espectro da esquizofrenia)

  • Transtorno bipolar do humor

  • Transtorno de déficit da atenção e hiperatividade

  • Dependência química e não química (internet e afetiva)

  • Controle dos Impulsos (jogo patológico, roubos ou furtos constante em lojas, provocação de incêndios deliberadamente, arrancamento de cabelos compulsivamente)

  • Nos quadros de agitações, que podem ocorrer nas demências, no retardo mental.

  • Também contribui no tratamento: da insônia, da dor (fibromialgia)

 

Na seção, Bom dia Doutora, faremos a exposição de maneira simples de algumas situações comuns na psiquiatria.

DSC_1462.JPG

12 3962-3739

Central de marcação de CONSULTA